Projeto leva estudantes para aula em terreiro em comunidade de candomblé

Projeto leva estudantes para aula em terreiro em comunidade de candomblé



Júlia Giusti*

Eduardo Vanunci

Alunos do Centro de Ensino Médio (CEM) 2 de Planaltina, na Região Metropolitana de Brasília, viveram na última terça-feira uma experiência de contato com a arte e a cultura afro-brasileira. Por meio do projeto Ogbon Mimo – Sabedoria Sagrada, 68 alunos da escola participaram de uma visita guiada à casa de candomblé Ilê Odé Axé Opo Inle, em Planaltina.

Numa espécie de passeio dividido em estações, os visitantes conheceram os orixás, os instrumentos musicais e a culinária da comunidade, além de apreciarem fotos, pinturas, desenhos e peças artesanais de países africanos. A ideia é promover o respeito à diversidade e desconstruir preconceitos e combater a intolerância religiosa. A iniciativa conta com o apoio da Fundação Palmares e do Ministério da Cultura, em linha com a Lei nº 10.639, de 2003, que torna obrigatório o ensino de história e cultura afro-brasileira nas escolas.

Babakekere (paizinho, segundo na hierarquia da casa) e produtor do projeto, Renato Gomes, explica que a iniciativa surgiu como uma forma de apresentar aos alunos o universo do terreiro de Candomblé, quebrando barreiras através da experiência. A comunidade já visitava escolas, trazendo conhecimentos sobre a cultura e as religiões africanas, mas sentiu a necessidade de expandir a experiência prática. “É diferente a gente ir às escolas e os alunos estarem dentro do território. Além da parte da religiosidade, tem a história, a cultura e a influência da música africana na construção do Brasil”, destaca.

Entre os aspectos centrais da comunidade do terreiro estão a culinária e a música. “Tudo o que fazemos é na cozinha, envolve comida, porque é o mais importante da nossa religião. A música anda de mãos dadas com a culinária, e tudo termina em festa, com a história dos orixás sendo contada através da música e dançar”, ele compartilha. Ele acrescenta que os costumes da comunidade buscam estabelecer uma relação harmoniosa com os orixás e promover a integração entre as pessoas, sem distinção: “A casa de Candomblé acolhe as pessoas, elas não escolhem, vivemos em família”, enfatiza Renato.

Respeito

Elias Viana, Ojú Ilê (apresentador da casa) e produtor do projeto, acrescenta que a iniciativa busca combater a desinformação e o preconceito enraizados na sociedade, com o intuito de promover o respeito e a diversidade religiosa.

“A proposta é desmistificar a demonização das religiões de origem africana. Quando os estudantes chegam aqui, recebem uma chuva de informações, de cultura, no que diz respeito à contribuição da África para a construção da sociedade brasileira. suas religiões, tendo em conta que o país é laico, por isso o nosso projeto funciona nesta perspetiva”, sublinha.

Um fato que chamou a atenção dos organizadores foi que o interesse dos alunos em conhecer a comunidade aumentou à medida que aconteciam as visitas às escolas. “Nos dois grupos que vieram antes, a média rondava os 40 alunos. Agora, o número aumentou para 68. Então, percebemos que há divulgação na escola e nas famílias de quem já fez a visita”, ressalta Elias Viana.

Durante o passeio, os alunos tiveram contato com a história dos povos africanos, a escravidão no Brasil e os significados dos artefatos e costumes dessas populações. Além das palestras, eram levados às casas sagradas, cada uma representando um orixá, que era interpretado por membros da comunidade. Também aprenderam sobre arte e culinária, por meio de exposições e degustações de pratos típicos, como acarajé e manjar. Por fim, os alunos participaram da apresentação do grupo de percussão Afoxé Omo Ayó.

Experiência

O produtor Elias Viana procurou professores de história, sociologia e artes, que se dispuseram a aceitar a proposta.

Danilo Monteiro, que leciona sociologia no CEM 2 de Planaltina, trabalha questões étnico-raciais com os alunos e viu no Ogbon Mimo uma oportunidade de continuar aprendendo. “O terreiro representa uma pequena África dentro do Brasil. Achei muito interessante que os pais também deram a eles a liberdade de visitar, porque sabemos que existe uma demonização das religiões de base africana. experiência para quebrar estereótipos e preconceitos”, destaca.

Tailane dos Santos, 18 anos, considerou a experiência muito útil. “Já visitei outras comunidades africanas, mas eram de umbanda. Num terreiro de candomblé é a primeira vez. Foi uma novidade. O que mais gostei foi conhecer os orixás”, conta.

Assim como Tailane, Gabriel Oliveira, 18, também já havia visitado um terreiro. Mesmo assim, para ele, foi inovador, “muito interessante e diferente”. Após as explicações da comunidade, ele afirma: “É muito importante não falar negativamente sobre as religiões sem antes conhecê-las”.

As visitas continuam até o dia 11 de junho.

saber mais

A casa

» Ilê Odé Axé Opo Inle (Casa do Caçador cuja Força vem de Inle) é uma comunidade tradicional de origem africana da nação iorubá, fundada em 1996. Com cerca de 150 membros, é uma das maiores do Distrito Federal e arredores áreas.

Legislação

» O Estado laico no Brasil foi instituído na Constituição de 1891, determinando a interferência não estatal em questões religiosas. Na Constituição de 1988, a liberdade religiosa foi garantida no artigo 5º. Em 2003, a Lei nº 10.639 determinou a obrigatoriedade do ensino da história e da cultura afro-brasileira nas escolas. Apesar da legislação, o Disque 100 — canal de ouvidoria para violações de direitos humanos — recebeu, em 2023, mais de 2 mil denúncias relacionadas à intolerância religiosa, o que representa um aumento de 80% em relação a 2022. Segundo o canal, as religiões de matriz africana são os mais afetados por esse tipo de violência.

*Estagiários sob supervisão de Malcia Afonso



noverde empréstimo app

simular emprestimo banco pan

empresa de empréstimo consignado

consulta inss emprestimo consignado

empréstimo consignado bb

o’que significa vx

loas emprestimo

emprestimo consignado assalariado

emprestimos para aposentados sem margem

Experience the power of this link building network and watch as your website soars to new heights in the digital landscape. Upgrade to vip. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.