Polícia Federal apura nova joia nos Estados Unidos durante investigação sobre Bolsonaro


A PF investiga se Jair Bolsonaro se apropriou indevidamente de joias milionárias doadas pela Arábia Saudita ao governo brasileiro.

Foto: Isac Nóbrega/PR

A PF investiga se Jair Bolsonaro se apropriou indevidamente de joias milionárias doadas pela Arábia Saudita ao governo brasileiro. (Foto: Isac Nóbrega/PR)

A Polícia Federal (PF) descobriu a existência de uma nova joia cravejada de pedras preciosas que havia sido negociada nos Estados Unidos por emissários do ex-presidente Jair Bolsonaro. As informações são da CNN.

Esta nova peça foi descoberta há algumas semanas, após investigações de investigadores no exterior. Um dos depoimentos ligados a uma joalheria em solo americano descreveu o potencial valioso do objeto, cujas gemas poderiam ser extraídas da peça à venda.

Este depoente, porém, relatou que o negócio acabou não sendo concretizado. A suspeita é que a joia também tenha sido um presente de um país do Oriente Médio ao então presidente. Agora, os investigadores da PF querem saber o paradeiro do enfeite.

Investigações preliminares indicam que essa joia estava alojada no mesmo estojo da escultura de palmeira banhada a ouro, entregue a Bolsonaro em encontro entre empresários brasileiros e árabes no Bahrein.

O depoimento prestado ainda precisa ser corroborado. Por isso, colaboradores da Justiça, como o tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de campo de Bolsonaro, devem ser ouvidos nos próximos dias para que mais detalhes sejam colhidos sobre a existência, origem e também o destino do objeto.

A peça não teria sido alvo da “operação de resgate”, em que aliados do ex-presidente teriam recomprado itens vendidos no exterior após o Tribunal de Contas da União (TCU) determinar a devolução dos presentes.

A PF investiga se Jair Bolsonaro se apropriou indevidamente de joias milionárias doadas pela Arábia Saudita ao governo brasileiro. Jair Bolsonaro já foi indiciado por fraude com cartão de vacinação. A Procuradoria-Geral da República (PGR) solicitou investigações adicionais e a versão final do relatório, incluindo alterações, também está em fase de conclusão.

As investigações que investigam uma possível tentativa de golpe de Estado após as eleições de 2022 devem ser concluídas até julho, segundo a PF. A investigação faz parte de uma ação que tramita em sigilo no Supremo Tribunal Federal (STF). Esta investigação faz parte da Operação Tempus Veritatis, lançada em fevereiro contra aliados próximos de Jair Bolsonaro, bem como contra o próprio ex-presidente.