Brasil tem em abril o segundo maior consumo de energia elétrica da série histórica


Classe residencial teve maior expansão no consumo em abril, alta de 9,1% em relação ao mesmo período do ano anterior, seguida pela classe comercial

Foto: Reprodução

(Foto: Reprodução)

Em abril, o Brasil registrou o segundo maior consumo de energia elétrica da série histórica da Revisão Mensal da EPE (Empresa de Pesquisa Energética) – iniciada em 2004 -, atingindo 47.338 gigawatts-hora (GWh), um aumento de 5,5% em relação a abril de 2023.

A indústria teve o maior consumo da série histórica, com 16.364 GWh, aumento de 3,3% em relação ao mesmo mês do ano passado. Segundo a EPE, 27 dos 37 setores industriais monitorados tiveram aumento no consumo de energia elétrica, com destaque para a fabricação de produtos alimentícios e metalurgia.

A classe residencial teve a maior expansão no consumo em abril, aumentando 9,1% em relação ao mesmo período do ano anterior, seguida pela classe comercial, cujo consumo de energia elétrica aumentou 5,9%. Segundo a EPE, os aumentos podem ser explicados por temperaturas acima da média e ondas de calor. No comércio, também houve contribuição da melhora nas vendas do setor.

No ano, a classe residencial também liderou o aumento, com 11,5% (61.191 GWh); enquanto a classe comercial cresce 7,7% (35.986 GWH) e a classe industrial, 3,7% (63.671 GWh). Nos últimos 12 meses, o consumo de energia elétrica foi de 543.954 GWh, um aumento de 6% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Quanto ao ambiente de contratação, o mercado livre, com 19.542 GWh, respondeu por 41,3% do consumo nacional de energia elétrica em abril, com crescimento de 9,4% no consumo e de 27,3% no número de consumidores, em relação a abril de 2023.

O mercado regulado de distribuição, com 27.795 GWh, respondeu por 58,7% do consumo nacional em abril, um aumento de 2,9%. O número de unidades consumidoras aumentou 1,2% no período, apesar da migração dos consumidores para o mercado livre.