Os cartéis e gangues de drogas do México parecem estar desempenhando um papel mais amplo nas eleições de domingo do que antes

Os cartéis e gangues de drogas do México parecem estar desempenhando um papel mais amplo nas eleições de domingo do que antes


Membros da Guarda Civil de Michoacan visitam os locais onde serão instaladas seções eleitorais em 2 de junho em Morelia, México, em 30 de maio de 2024.

Henrique Castro | AFP | Imagens Getty

Os cartéis e gangues de drogas do México parecem estar desempenhando um papel mais amplo do que antes na Eleições de domingoisso determinará a presidência, nove governadores e cerca de 19 mil prefeituras e outros cargos locais.

Os poderosos cartéis de drogas do país há muito que encenam assassinatos selectivosde candidatos a prefeito e outros candidatos locais que ameaçam seu controle. As gangues no México dependem do controle dos chefes de polícia locais e da participação nos orçamentos municipais; a política nacional parece interessá-los menos.

Mas no período que antecedeu a votação de domingo, os gangues têm cada vez mais começado a pulverizar comícios de campanha inteiros com tiros, a queimar cédulas de voto ou a impedir a instalação de assembleias de voto, e até mesmo a colocar faixas que procuram influenciar os eleitores.

O analista de segurança David Saucedo diz que é provável que algumas gangues de traficantes tentem forçar os eleitores a votar em seus candidatos favoritos.

“É razoável supor que os cartéis mobilizarão as suas bases de apoio durante as eleições de domingo”, disse Saucedo. “Eles têm eleitores leais que conquistaram através da distribuição de pacotes de alimentos, dinheiro, remédios e projetos de infraestrutura. Eles os usarão para apoiar candidatos ao narcotráfico”.

Em alguns lugares, parece que os gangues estão a encorajar as pessoas a votar, ao mesmo tempo que desencorajam o voto em áreas controladas pelos seus rivais.

Na sexta-feira, as autoridades eleitorais relataram que os agressores queimaram uma casa onde as cédulas estavam sendo armazenadas antes do domingo, na cidade devastada pela violência de Chicomuselo, no estado de Chiapas, no sul do país. Embora não tenham dito quem estava por trás do ataque, a cidade é completamente dominada por dois cartéis de drogas em guerra, Jalisco e Sinaloa.

No dia 14 de Maio, homens armados aparentemente ligados a um cartel atiraram e mataram 11 pessoas num único dia em Chicomuselo. Em 17 de maio, cinco pessoas foram mortas junto com um candidato a prefeito quando Homens armados abriram fogo contra uma multidão na cidade de La ConcordiaChiapas, cerca de 75 quilômetros a leste de Chicomuselo.

Os assassinatos seletivos de candidatos locais continuaram. Na quarta-feira, imagens dramáticas de vídeo mostraram um candidato a prefeito no estado de Guerrero, no sul do país, sendo baleado na cabeça à queima-roupa com uma pistola. Um total de 31 candidatos, quase todos concorrendo a prefeitos, foram mortos este ano.

Mas os ataques em massa a comícios de campanha, outrora extremamente raros no México, estão a tornar-se comuns e mataram muito mais apoiantes do que candidatos este ano. O efeito é intimidante.

Na quarta-feira, último dia oficial de campanha, homens armados não identificados abriram fogo a alguns quarteirões do último comício de campanha de um candidato a prefeito no estado de Michoacan, no oeste do país, fazendo com que centenas de pessoas lutassem em busca de segurança.

“Parecia uma noite normal, como o encerramento da campanha de outros candidatos”, disse Angélica Chávez, uma dona de casa que esteve no comício em Cotija. “Depois houve tiros, vários tiros muito próximos. E então as pessoas começaram a correr e a mergulhar no chão, agachadas.”

Chávez ficou ferido na debandada e teve que se refugiar em uma igreja local.

Em Celaya, uma cidade de Guanajuato, homens armados abriram fogo num evento de campanha em Abril, matando uma candidata a presidente da Câmara e ferindo três dos seus apoiantes.

Saucedo, o analista, vê os tiroteios como um sinal de que as gangues do narcotráfico não estão mais dispostas a ver seus candidatos escolhidos a dedo perderem.

“Em vez de permitir a vitória de um candidato que não está de acordo com seus interesses criminosos, ou permitir que um candidato ligado a uma gangue rival do tráfico vença, eles usam essa tática”, disse Saucedo. “O que estamos vendo na reta final é uma estratégia bastante desesperada por parte de alguns grupos de traficantes de drogas”.

Saucedo disse que tais tentativas de controle do narcotráfico na política local já haviam sido vistas anteriormente em alguns estados particularmente violentos, como Tamaulipas. “O que antes era limitado… agora está se espalhando para incluir todo o país”, disse ele.

O Instituto Nacional Eleitoral afirma que teve de cancelar planos para 170 locais de votação, principalmente em Chiapas e Michoacan e principalmente por problemas de segurança. Em Chiapas, as autoridades eleitorais dizem que há lugares onde nem sequer podem ir. Embora seja uma pequena fração dos 170.858 locais de votação do país, é perturbador.

E na cidade fronteiriça de Nuevo Laredo, no norte, um grupo obscuro que os meios de comunicação locais associam ao cartel de drogas dominante no Nordeste, afixou cartazes alegando que um candidato a presidente da Câmara está ligado ao cartel de drogas rival do Golfo.

As autoridades não confirmaram a origem do cartaz grosseiro, que inclui uma imagem photoshopada do candidato brandindo uma espingarda de assalto e vestindo um colete à prova de balas com a insígnia do cartel do Golfo.

No estado de Morelos, ao sul da Cidade do México, os moradores acordaram esta semana e encontraram uma faixa pendurada numa estrada alegando que um candidato a governador estava ligado a gangues de traficantes rivais. A faixa foi assinada por um traficante local cujo nome é desconhecido, “o Comandante das Três Letras”.

Outra faixa aparentemente relacionada com gangues ameaçava que qualquer pessoa que tentasse comprar votos seria “punida severamente”. Essa faixa foi assinada por “Aqueles que sempre deram as ordens aqui”.

Tais acontecimentos parecem indicar que os cálculos anteriores dos cartéis – eliminar o candidato mais forte de quem não gosta e o candidato restante do partido principal vencerá por omissão – tornaram-se mais complicados.

Numa cidade de Michoacán, Maravatio, as gangues aparentemente tentaram eliminar quaisquer dúvidas sobre quem vencerá este ano; eles matou três candidatos a prefeito da cidadeque aparentemente não eram do seu agrado.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Alepeo aleppo duschseife mit lorbeeröl 5 liter.