O que é a internet dos corpos?

O que é a internet dos corpos?


A seguir está uma transcrição do vídeo.

Você já ouviu o termo “Internet das Coisas” – onde objetos inanimados podem ser conectados à Internet e entre si.

Mas em 2016, a acadêmica e autora Dra. Andrea M. Matwyshyn deu um passo adiante, cunhando o termo “Internet dos Corpos”, ou IoB.

Ela a descreve como “uma rede de corpos humanos cuja integridade e funcionalidade dependem, pelo menos em parte, da Internet e de tecnologias relacionadas, como a inteligência artificial”.

Isso pode parecer absurdo, mas se você tiver um desses, já faz parte do mundo IoB.

Existem três categorias de IoB, com base no nível de integração do dispositivo.

A primeira geração é externa. Coisas como smartwatches ou anéis, que usam sensores para monitorar nossos passos e frequência cardíaca. Ou óculos inteligentes, que funcionam como câmeras, fones de ouvido e monitores.

A segunda geração é interna. Estes são dispositivos que você ingere ou implantou. Pense em marca-passos com implantes digitais, próteses inteligentes conectadas aos nervos e músculos dos pacientes… ou até mesmo pílulas digitais que transmitem dados médicos após serem ingeridas.

Finalmente, há a terceira geração. Esses dispositivos fundem-se completamente com o corpo, mantendo uma conexão em tempo real com uma máquina externa e com a Internet.

Uma das empresas mais notáveis ​​neste espaço é a Neuralink de Elon Musk, que está desenvolvendo uma interface cérebro-computador, ou BCI chamada “the Link”.

O chip do tamanho de uma moeda é implantado sob o crânio, onde pode ler os sinais cerebrais de uma pessoa e permitir que ela controle uma máquina externa.

O primeiro sujeito de teste do Neuralink, que estava paralisado dos ombros para baixo, usou o dispositivo para jogar xadrez em seu laptop. Embora algumas semanas após o procedimento, o Neuralink relatou algum mau funcionamento.

Os defensores dos dispositivos IoB dizem que os benefícios são claros: eles melhorarão a cognição e a função corporal, melhorarão os cuidados de saúde e permitirão economias significativas de custos para pessoas e empresas. Mas onde alguns vêem benefícios, outros vêem riscos. Até mesmo o artigo original que cunhou o termo alertava contra as falhas da tecnologia.

Por um lado, a proteção de dados será fundamental. Muitos desses dispositivos serão capazes de rastrear, registrar e armazenar informações pessoais. Os críticos argumentam que se os governos e as empresas tivessem acesso a estes dados, poderiam utilizá-los para espiar os cidadãos ou transformá-los em fontes de receitas. Também existem preocupações em torno da dependência, do vício e da segurança pessoal. O ex-vice-presidente dos EUA, Dick Cheney, por exemplo, admitiu que desativou a função sem fios do seu implante cardíaco em 2007, devido ao receio de que assassinos pudessem usá-lo para causar um ataque cardíaco fatal.

Há também questões éticas a serem consideradas. Poderíamos ver um mundo em que os ricos são aumentados e os pobres não? E filosoficamente, a IoB desafiará as nossas noções de autonomia humana e autogoverno? Quem é responsável pelo monitoramento dos riscos?

A maioria dos dispositivos implantáveis ​​e ingeríveis IoB são regulamentados por agências, como a Food and Drug Administration nos EUA ou suas contrapartes internacionalmente.

Eles têm um conjunto de regras para coisas como implantes cocleares ou substituições de partes do corpo, mas os dispositivos de consumo IoB não estão sob sua alçada. O recente surgimento destes dispositivos, o seu rápido crescimento nas vendas e as suas capacidades variadas explicam, de certa forma, a actual manta de retalhos de legislação a nível regional, estatal e internacional. No entanto, existem algumas leis existentes que poderiam ser estendidas para proteger os dados IoB.

O Regulamento Geral de Proteção de Dados da UE – ou GDPR – foi concebido para proteger os residentes da UE contra os perigos de violações de dados e ataques cibernéticos.

E nos EUA, a Lei de Portabilidade e Responsabilidade de Seguros de Saúde – vulgarmente conhecida como HIPAA – destina-se a impedir que as informações de um paciente sejam divulgadas sem consentimento.

Como indústria, há muito pelo que jogar. De acordo com a Mordor Intelligence, só o mercado global de dispositivos médicos conectados valerá cerca de 66 mil milhões de dólares em 2024 e deverá atingir mais de 132 mil milhões até 2029. Isso representa uma taxa de crescimento anual de quase 15%.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Domestic helper visa extension hk$900. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.