Polícia prende 34 pessoas no Museu do Brooklyn depois que manifestantes ocupam prédio

Polícia prende 34 pessoas no Museu do Brooklyn depois que manifestantes ocupam prédio


O Departamento de Polícia de Nova York disse no sábado que prendeu 34 pessoas depois de responder a um protesto pró-Palestina no Brooklyn, Nova York, que levou a relatos de obras de arte danificadas e assédio a funcionários no Museu do Brooklyn.

A Within Our Lifetime, uma organização comunitária liderada por palestinos, sediada em Nova York, convocou o protesto na sexta-feira para “desocupar” o museu até que a instituição revele e se desfaça de quaisquer investimentos ligados ao ataque militar de Israel à Faixa de Gaza, que durou meses.

O protesto começou no Barclays Center às 15h de sexta-feira e chegou ao Museu do Brooklyn por volta das 16h30. Os manifestantes ocuparam a praça pública em frente ao museu, bem como entraram no prédio.

Indivíduos bloquearam entradas e exibiram faixas tanto no interior como na fachada do museu, segundo o porta-voz do museu, Taylor Maatman.

Um banner foi pendurado no Museu do Brooklyn, em Nova York, na sexta-feira.Leonardo Munoz/AFP – Getty Images

“Infelizmente, houve danos em obras de arte existentes e recentemente instaladas na nossa praça, e alguns membros do nosso pessoal de segurança pública foram agredidos e assediados física e verbalmente”, disse Maatman.

Vídeos compartilhados e avaliados pela NBC News mostraram a polícia tentando proteger o museu da multidão.

Within Our Lifetime postou nas redes sociais que seu presidente, Nerdeen Kiswani, foi “alvo e preso violentamente” e reivindicado que a polícia roubou seu hijab.

A polícia detém um manifestante pró-Palestina.
A polícia deteve um manifestante pró-Palestina em frente ao Museu do Brooklyn na sexta-feira, em Nova York.Andrés Kudacki/AP

O museu fechou uma hora mais cedo devido à preocupação com o prédio, as coleções e os funcionários, disse Maatman.

O protesto é o mais recente de uma série de ações pró-Palestinas que ocorreram em Nova Iorque e em todo o país nos últimos meses, incluindo ações lideradas por estudantes da Universidade de Columbia, da Universidade de Nova Iorque e de outras faculdades.

Pelo menos 80 pessoas foram presas na sexta-feira na Universidade da Califórnia, em Santa Cruz, depois que a universidade solicitou assistência para limpar um acampamento pró-Palestina, disse Abby Butler, diretora de comunicações estratégicas e relações com a mídia.

Só os protestos nos campus universitários dos EUA já levaram a mais de 3.000 detenções, de acordo com uma contagem da NBC News.

Manifestantes pró-palestinos se reúnem no Brooklyn.
Manifestantes pró-palestinos na cidade de Nova York em 31 de maio. Stephanie Keith/Getty Images

A chanceler Cynthia Larive dirigiu-se ao corpo discente numa carta na sexta-feira, dizendo que a universidade tentou evitar o envolvimento da aplicação da lei, mas que as perturbações sofridas durante o acampamento foram “prejudiciais” para outras pessoas na comunidade.

“Acredito que muitos dos que se envolveram nestes protestos ao longo destas semanas são bem-intencionados e tentam fazer mudanças através das suas esferas de influência”, escreveu Larive. “Esta decisão não foi tomada porque indivíduos se manifestaram; foi porque eles escolheram fazê-lo através de ações ilegais.”

Ela acrescentou que as exigências dos estudantes para que a universidade desinvestisse e boicotasse empresas afiliadas a Israel já eram “consideradas inaceitáveis” pelo Gabinete do Presidente da Universidade da Califórnia.





globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Copyright by naturhaus gmbh.