Em meio às contínuas incursões israelenses em Gaza, as instalações de ajuda fecham “uma por uma”

Em meio às contínuas incursões israelenses em Gaza, as instalações de ajuda fecham “uma por uma”



Instalações humanitárias em Rafah são forçadas a fechar uma por uma… O fluxo de suprimentos humanitários para Gaza, já insuficiente para atender às necessidades crescentes, caiu 67 por cento desde 7 de maio”, informou o escritório de coordenação de ajuda da ONU, OCHA.

Até os soldados israelitas tomarem e fecharem a passagem fronteiriça de Rafah, na parte mais meridional da Faixa, esta era a porta de entrada vital para a entrada de alimentos, água, combustível e medicamentos em Gaza, bem como a rota para as pessoas doentes e feridas saírem para tratamento. .

Impotente para ajudar contra a ameaça da fome

Fazendo eco destas preocupações, o Programa Alimentar Mundial da ONU (PMA) avisou que havia “pouco (a agência) pode fazer atualmente em Rafah, com estoques muito baixos e mobilidade severamente limitada”.

Segundo o PMA, a passagem de West Erez, no norte de Gaza, “está operacional, mas não é confiável”. A porta 96, mais a sul, e a passagem de Erez também são “inacessíveis” e o acesso é tão “restrito” às partes do sul de Gaza que corre o risco de causar os mesmos níveis catastróficos de fome testemunhados no norte.

Ganho tático

O desenvolvimento ocorre no momento em que os militares israelitas afirmam ter assegurado o “controlo táctico” de uns estreitos 13 quilómetros (oito milhas) de terra entre Gaza e o Egipto.

Num comunicado divulgado na quarta-feira, um porta-voz das Forças de Defesa de Israel afirmou que foram usados ​​​​lançadores de foguetes para atacar Israel a partir do Corredor de Filadélfia.

Um alto funcionário israelense também teria dito à rádio nacional na quarta-feira que os combates em Gaza deverão continuar até o final do ano, pelo menos.

Situação humanitária terrível

Após quase oito meses de guerra, toda a população de Gaza, de 2,2 milhões de pessoas, depende quase exclusivamente da ajuda humanitária, incluindo alimentos.

Embora os suprimentos urgentemente necessários tenham sido entregues no lado palestino da passagem de Kerem Abu Salem, localizada perto de Rafah, os humanitários da ONU enfatizaram repetidamente que não é seguro levá-los em meio às hostilidades em curso, estradas intransitáveis, armas não detonadas, escassez de combustível e atrasos nos postos de controle. .

Adultos e crianças estão exaustos devido ao movimento constante, fome e medo“, o PMA disse em sua última atualização de situação. “Eles estão desesperados para que a guerra acabe – assim como os trabalhadores humanitários no terreno, que estão em grande parte deslocados e separados juntamente com as pessoas que deveriam servir.

As autoridades humanitárias reiteraram frequentemente a responsabilidade de Israel como potência ocupante para garantir que a ajuda chegue a quem dela necessita, em conformidade com o direito humanitário internacional.

A agência alimentar da ONU confirmou entretanto que a ajuda humanitária e o combustível do Egipto cruzaram para Gaza através da passagem de Kerem Shalom.

“Este é um passo importante, mas precisamos de acesso contínuo. Precisamos que todas as passagens de fronteira e postos de controlo dentro de Gaza estejam abertos”, afirmou, acrescentando que embora alguns bens comerciais tenham chegado ao enclave “as pessoas não podem pagar os preços elevados – precisamos de mais ajudar a atravessar o sul porque as pessoas precisam de diversidade alimentar, acesso a cuidados de saúde e água”.

Na sua última atualização, a agência alimentar da ONU disse que no norteequipes assistenciais distribuem pacotes de alimentos, farinha de trigo, refeições quentes e apoiam padarias.

Em áreas centrais, o PAM dá prioridade às refeições quentes para chegar a mais pessoas com menos recursos. Observou que agora é possível obter assistência mais rápida graças a uma ferramenta de autorregisto recentemente introduzida que permite às pessoas atualizar a sua localização.

Apenas quatro padarias funcionam actualmente na Cidade de Gaza, e uma abriu recentemente em Jabalia, fornecendo pão essencial no norte. Das 17 padarias que o PAM opera em Gaza, apenas 11 estão a funcionar devido à falta de combustível e outros produtos essenciais.

Greve de Al Mawasi

Até agora, pelo menos 36.171 palestinianos foram mortos e 81.420 feridos em Gaza, disse o OCHA, citando as autoridades de saúde de Gaza, enquanto os ataques terroristas liderados pelo Hamas no sul de Israel, em 7 de Outubro, desencadearam intensos bombardeamentos israelitas em todo o enclave.

“Vítimas em massa” também foram relatadas na terça-feira, após um ataque aéreo não confirmado em um local para pessoas deslocadas à força na área costeira de Al Mawasi, a sudoeste de Rafah. O escritório de ajuda da ONU citou o Ministério da Saúde de Gaza, que relatou 21 mortes e 21 feridos.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Copyright by naturhaus gmbh.