O candidato da oposição venezuelana, Edmundo González Urrutia, está confiante de que pode derrotar Maduro



Edmundo González Urrutia, um ex-diplomata de 74 anos, saiu da aposentadoria para se aventurar em uma das aventuras políticas mais peculiares da história moderna da Venezuela.

Após as consecutivas desqualificações de dois líderes da oposição, María Corina Machado e Corina Yoris, González Urrutia foi escolhido pela Plataforma Unitária Democrática para ser o porta-estandarte das forças que se opõem ao presidente Nicolás Maduro.

Maduro aspira a ser reeleito nas eleições de 28 de julho, apesar de ter governado o país durante 25 anos e de ter sido denunciado, dentro e fora da Venezuela, por vários atos de corrupção e violações dos direitos humanos.

“Esta foi uma situação inesperada que eu não esperava nem procurava. Tomei a decisão como uma contribuição da minha parte para a solução dos problemas na Venezuela, uma contribuição para a democracia venezuelana. Foi uma decisão que tomamos como família, em consulta com minha esposa e minhas duas filhas que me apoiaram totalmente”, disse González Urrutia em entrevista ao Noticias Telemundo.

Apesar de pouco conhecido, em comparação com o popular Machado (que foi deputado e fundador do partido Vente Venezuela), González Urrutia emergiu como uma figura que poderia reunir o descontentamento dos venezuelanos que enfrentam uma longa crise económica caracterizada por uma inflação desenfreada ( 193% só em 2023), entre outras dificuldades.

“Quando aceitei a proposta que me fizeram para participar como candidato, disse-lhes que para isso ter força política tinha que ter o apoio unânime dos partidos que compõem a Plataforma Unitária Democrática. os partidos decidiram por unanimidade apoiar-me para apresentar a minha candidatura perante a CNE como candidato presidencial”, disse.

De acordo com as sondagens mais recentes, esse apoio tem funcionado entre o eleitorado do país: empresas de sondagens como a Meganalisis e a Datincorp dão-lhe um amplo apoio, que vai desde 61.1% para 50%respectivamente.

Contudo, analistas e especialistas alertam que o candidato vencedor terá de lidar com um clima de insegurança e de ausência de garantias democráticas.

María Puerta-Riera, professora de ciências políticas no Valencia College, na Flórida, não tem dúvidas de que a oposição pode vencer as eleições, “porque as pessoas estão fartas e querem apoiar qualquer opção da oposição”.

“O problema é que sabemos que não é a primeira vez que o governo ignora os resultados eleitorais e sabemos que está disposto a fazer qualquer coisa para permanecer no poder”, disse ela.

Desde Janeiro, o governo deteve e encarcerou 10 membros da oposição, e organizações não-governamentais como o Foro Penal denunciam que há 274 presos políticos sendo realizada no país. E a Tribunal Penal Internacional investiga Maduro e outros altos funcionários do governo por alegados crimes contra a humanidade, como desaparecimentos forçados, execuções extrajudiciais, detenções arbitrárias e tortura contra dissidentes políticos durante os protestos de 2017, nos quais 125 pessoas morreram.

González Urrutia disse que apesar de todo este clima político adverso, não tem medo e vai realizar uma intensa campanha eleitoral.

“Pretendo participar em boa parte dos comícios que estão a ser organizados em todo o país”, disse.

No entanto, analistas como Puerta-Riera alertam sobre os riscos que qualquer candidato da oposição enfrenta.

“O importante é reconhecer que o governo vai usar todo o seu poder formal e informal para impedir a sua vitória”, disse ela. “Não só vão enviar a polícia para persegui-lo e monitorá-lo, mas também vão armar grupos informais. Duvido que lhe permitam fazer campanha livremente.”

Uma esperança para melhores relações EUA-Venezuela

González Urrutia tem vasta experiência como funcionário público, sendo embaixador na Argélia e na Argentina, e tendo trabalhado em escritórios diplomáticos na Bélgica, El Salvador e nos EUA. Foi embaixador na Argentina no governo do presidente Hugo Chávez, falecido em 2013.

“Servi alguns anos como representante do governo da Venezuela na Argentina. E fiz isso aceitando a realidade de que nós, funcionários de carreira, somos funcionários do Estado. Não somos dirigentes de partidos ou de ideologias políticas”, afirmou, embora tenha solicitado a reforma antecipada do serviço estrangeiro.

“Eu tinha vários anos pela frente”, disse ele melancolicamente.

A grave crise política e económica do país causou um êxodo em massa; estima-se que existam mais de 7,7 milhões de migrantes e refugiados venezuelanosde acordo com os números mais recentes da ONU.

“Temos planos de trabalho para a recuperação económica do país no seu sentido mais amplo. Todos estes programas, projetos e programas foram estudados em profundidade”, disse, acrescentando que “a única coisa que falta” é a maioria dos votos necessários para garantir a vitória em 28 de julho.

Ele disse que aspira retornar as relações com os EUA “ao mesmo nível que tivemos por muitos anos”.

“É ilógico que já tenhamos passado mais de 10 anos sem relações diplomáticas formais, sem embaixadores em Caracas e Washington”, disse ele. “Isso é algo inconcebível nestes tempos para dois países que devem manter uma relação fluida como a que tivemos”.

Quando questionado sobre qual será a sua estratégia após as eleições presidenciais norte-americanas, em Novembro, disse que a “retórica de confronto e demonização dos Estados Unidos é o que tem levado à manutenção desta política de tensões entre os dois países”, acrescentando que o objectivo é regressar às relações respeitosas entre os dois países como no passado.

Enfrentar a migração, a democracia — e questões sobre a sua idade

Quando questionado sobre como enfrentaria as repercussões da saída de milhões de venezuelanos nos últimos anos e a questão da migração para os EUA, González Urrutia disse que a única maneira de aliviar a tensão “é melhorar as condições de pobreza que levam milhares de venezuelanos para tomar a decisão de partir. Atrás de cada migrante há desesperança e há pobreza.”

González Urrutia disse estar confiante de que o governo de Maduro permitiria uma transição democrática se ele vencesse as eleições.

“Consideramos que a magnitude da nossa vitória será tal que não haverá dúvidas e abrirá um espaço de entendimento para as forças da Unidade Democrática”, disse. “Os números que temos não deixam dúvidas sobre a nossa vitória e acreditamos que isso abrirá espaço para o governo compreender e decidir que deve aceitar a decisão da vontade popular”.

Apesar de sua confiança, alguns críticos duvidam de suas habilidades e apontam sua idade como uma preocupação.

“Essas são críticas prejudiciais e tomei a decisão de que, como dizemos, palavras tolas, ouvidos surdos – não vou dar-lhes esse prazer. Estou com boa saúde, faço exercícios regularmente e não vou desperdiçar meu tempo em qualquer outra coisa.”

Uma versão anterior deste artigo foi publicado em Notícias Telemundo.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo