O ANC, que governa a África do Sul, está à beira de perder a maioria num resultado eleitoral histórico

O ANC, que governa a África do Sul, está à beira de perder a maioria num resultado eleitoral histórico



O Congresso Nacional Africano, no poder na África do Sul, esteve à beira de perder a sua maioria parlamentar pela primeira vez no sábado, depois de uma eleição que trouxe uma queda impressionante no apoio ao partido que tirou o seu país do apartheid sob Nelson Mandela.

Os resultados ainda não eram definitivos, mas com mais de 97% dos votos contados, o ANC tinha pouco mais de 40%. É uma enorme queda, considerando que o ANC dominou a política sul-africana durante 30 anos, desde o fim do governo da minoria branca em 1994, e no seu auge comandou 70% dos votos na economia mais avançada de África.

Autoridades eleitorais disseram que os resultados finais das eleições de quarta-feira serão declarados até domingo, mas parece que agora poderão ser divulgados mais cedo. A última contagem de votos ainda estava a decorrer em algumas das 23 mil assembleias de voto espalhadas pelas nove províncias do país.

O ANC ainda tem, de alguma forma, a maior parcela de votos, de acordo com os resultados parciais. Mas sem maioria, será necessário negociar uma coligação com outro partido ou partidos para permanecer no governo. Isto também tem repercussões para o futuro do Presidente sul-africano Cyril Ramaphosa, um protegido de Mandela.

Os sul-africanos votam nos partidos nas eleições nacionais para decidir quantos assentos cada partido obtém no Parlamento. Os legisladores elegem então o presidente e, se o ANC não atingir a marca dos 50%, não terá a maioria dos legisladores e precisará da ajuda de outros para reeleger Ramaphosa para um segundo e último mandato.

Quais os partidos com os quais o ANC poderá recorrer para co-governar é o foco urgente agora, dado que o Parlamento precisa de se reunir e eleger um presidente no prazo de 14 dias após os resultados finais das eleições terem sido oficialmente declarados. Uma enxurrada de negociações estava prevista para acontecer e provavelmente serão complicadas.

Um possível parceiro da coligação, o novo Partido MK, disse que uma das suas condições para qualquer acordo era que Ramaphosa fosse destituído do cargo de líder e presidente do ANC.

“Estamos dispostos a negociar com o ANC, mas não com o ANC de Cyril Ramaphosa”, disse o porta-voz do Partido MK, Nhlamulo Ndlela.

Mais de 50 partidos disputaram as eleições nacionais, mas dada a distância em que o ANC parece estar longe da maioria, é provável que tenha de abordar um dos três principais partidos da oposição.

A principal oposição, a Aliança Democrática, tem cerca de 21% dos votos e a contagem ainda está chegando; o Partido MK do ex-presidente Jacob Zuma tem 14% e os Combatentes pela Liberdade Económica têm 9%. Têm ideologias muito diferentes e poderiam empurrar o ANC e a África do Sul em direcções muito diferentes em qualquer coligação.

MK e a EFF de extrema esquerda apelaram à nacionalização de partes da economia. A AD centrista é vista como um partido favorável aos negócios e os analistas dizem que uma coligação ANC-DA seria mais bem recebida pelos investidores estrangeiros.

Apesar da incerteza, os partidos da oposição sul-africanos saudaram o novo quadro político como uma mudança muito necessária para o país de 62 milhões de habitantes, que é o mais desenvolvido de África, mas também um dos mais desiguais do mundo.

A África do Sul tem pobreza generalizada e níveis extremamente elevados de desemprego e o ANC tem lutado para aumentar o nível de vida de milhões de pessoas. A taxa de desemprego oficial é de 32%, uma das mais elevadas do mundo, e a pobreza afecta desproporcionalmente os negros, que constituem 80% da população e têm sido o núcleo do apoio do ANC durante anos.

O ANC também foi responsabilizado – e aparentemente punido pelos eleitores – por uma falha nos serviços básicos do governo que afecta milhões de pessoas e deixa muitos sem água, electricidade ou habitação adequada.

“Temos dito durante os últimos 30 anos que a forma de resgatar a África do Sul é quebrar a maioria do ANC e fizemos isso”, disse o líder da Aliança Democrática, John Steenhuisen.

Quase 28 milhões de sul-africanos estavam registados para votar e a participação deverá rondar os 60%, segundo dados da comissão eleitoral independente que dirige as eleições.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Domestic helper visa extension hk$900. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.