Netanyahu não concordará com o acordo de reféns a menos que seja favorável para ele, famílias israelenses dizem que foram informadas

Netanyahu não concordará com o acordo de reféns a menos que seja favorável para ele, famílias israelenses dizem que foram informadas


TEL AVIV — O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu não concordará em acabar com a guerra em Gaza em troca da libertação de reféns, a menos que as pesquisas de opinião mostrem que isso é politicamente vantajoso para ele, disse um alto funcionário da segurança israelense às famílias dos mantidos em cativeiro, uma pessoa em a reunião a portas fechadas e um grupo de defesa disseram na sexta-feira.

Os comentários do conselheiro de segurança nacional de Netanyahu, Tzachi Hanegbi, tornados públicos pela primeira vez pela emissora israelense Channel 12, enviaram ondas de choque pela comunidade familiar de reféns quase oito meses depois de seus entes queridos terem sido sequestrados pelo Hamas durante o ataque de 7 de outubro.

“O governo israelense tomou uma decisão consciente e deliberada de sacrificar os reféns”, disse o Fórum da Família de Reféns em comunicado na sexta-feira. “Os reféns, e todo o Estado de Israel, foram levados cativos por aqueles que escolheram os interesses políticos em detrimento dos seus deveres nacionais e governamentais.”

Hanegbi se reuniu com parentes dos reféns no Ministério da Defesa em Tel Aviv na tarde de quinta-feira. Entre os participantes estava Gil Dickman, cujo primo de 40 anos, Carmel Gat, está entre os 125 reféns ainda detidos em Gaza.

Hanegbi “nos disse: ‘Entendemos que a única maneira de trazer todos os reféns de volta é através de um acordo que ponha fim à guerra.’ E, na sua opinião, o governo israelense não vai pôr fim à guerra agora”, disse Dickman à NBC News em entrevista na sexta-feira.

“Ele disse que a única maneira de obrigar Netanyahu a fazer isso é fazê-lo compreender que isso será politicamente bom para ele, que se ele vir pesquisas que dizem que o público israelense quer ver os reféns em casa mais do que quer a continuação do conflito. a guerra, então ele fará um acordo que trará todos os reféns para casa”, acrescentou. “Ficamos chocados com isso.”

Num comunicado divulgado pelo gabinete do primeiro-ministro, Hanegbi disse que não comentaria publicamente o que foi dito numa reunião a portas fechadas. “Esta é a forma adequada de manter um diálogo aberto entre o escalão político e as famílias enlutadas. Não me desviarei desta tradição mesmo depois da reunião de hoje. Israel é obrigado a libertar todos os sequestrados e nós o faremos”, disse ele.

As negociações de cessar-fogo entre Israel e o Hamas permaneceram num impasse durante meses sobre uma série de questões, mas particularmente sobre a questão do fim da guerra.

O Hamas reiterou a sua posição num comunicado quinta-feira, onde afirmava que só libertaria os reféns em troca do fim do conflito e da retirada das forças israelitas de Gaza.

Netanyahu tem afirmado consistentemente que não concordará em acabar com a guerra como parte de um acordo de reféns – enquadrando a sua decisão em termos de segurança nacional, dizendo que Israel é obrigado a destruir o Hamas e evitar a possibilidade de uma repetição do ataque terrorista de 7 de Outubro. Mas os comentários de Hanegbi sugerem que a posição de Netanyahu também é guiada por considerações políticas.

Pessoas seguram cartazes pedindo a libertação de reféns em Jerusalém na quinta-feira.Léo Correa/AP

Dickman disse que Hanegbi disse às famílias dos reféns que acreditava ser possível que a primeira fase de um acordo pudesse ser acordada, que veria a libertação de alguns reféns em troca de um acordo de cessar-fogo que duraria várias semanas.

Mas, disse ele, Hanegbi também alertou que uma vez concluída a actual ofensiva na cidade de Rafah, no extremo sul de Gaza, Israel perderia a capacidade de pressionar o Hamas, e que a atenção pública se desviaria do enclave e dos reféns e se voltaria para um potencial conflito com Hezbollah no sul do Líbano.

“E então eu disse para [Hanegbi]: ‘Isso significa que estamos perdidos.’ E ele respondeu: Sim, está correto’”, disse Dickman.

Os militares israelitas confirmaram pela primeira vez na sexta-feira que as suas forças estavam a operar contra o Hamas no centro de Rafah, dias depois de ter sido amplamente criticado por um ataque aéreo que provocou um grande incêndio que matou dezenas de palestinianos.

As Forças de Defesa de Israel também afirmaram ter concluído uma operação em Jabalia, no norte de Gaza, onde os corpos de sete reféns foram recuperados nas últimas semanas.

Os palestinianos regressaram brevemente para verificar as suas casas no campo de refugiados de Jabalia, em 30 de maio de 2024, no meio do conflito em curso entre Israel e o grupo militante Hamas.
Os palestinos avaliam os danos no campo de refugiados de Jabalia, no norte da Faixa de Gaza, na quinta-feira.Omar Al-Qattaa/AFP – Getty Images

As sondagens de opinião israelitas pintam um quadro misto sobre a vontade do público de acabar com a guerra em Gaza em troca dos reféns, com os resultados das sondagens variando dependendo da forma como a questão é formulada.

Uma pesquisa realizada no início de maio para o think tank Israel Democracy Institute descobriu que 56% dos judeus israelenses acreditavam que garantir a libertação dos reféns deveria ser a maior prioridade de Israel, enquanto 37% acreditavam que a maior prioridade deveria ser o lançamento de uma ofensiva em Rafah.

Mas outra sondagem realizada na semana passada pelo jornal Maariv concluiu que 37% dos israelitas acreditavam que Israel deveria concordar com a exigência do Hamas de pôr fim à guerra em troca dos reféns, enquanto 43% acreditavam que Israel deveria continuar a acção militar intensiva em Rafah.

Os índices de aprovação de Netanyahu, que caíram após o ataque de 7 de outubro, também pareciam estar melhorando em uma pesquisa de alto nível do Canal 12, que descobriu que ele havia ultrapassado seu rival mais próximo, o líder centrista Benny Gantz, na questão de quem era mais adequado para ser primeiro-ministro pela primeira vez desde o início da guerra.

A Unidade Nacional de Gantz pressiona por eleições antecipadas. A medida ocorreu após um ultimato que Gantz, membro do gabinete de guerra de Netanyahu, emitiu no início deste mês, exigindo que o primeiro-ministro concordasse com um plano para o dia seguinte para a guerra em Gaza até 8 de junho.

As pesquisas mostram que a Unidade Nacional continua a liderar o Likud, de direita de Netanyahu, mas por uma margem menor do que antes.



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Simple, privacy focused and free ad network for websites in need of new visitors. Control the number of backlinks per website on a daily basis. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.