Famílias de prisioneiros libertados detalham abusos no cativeiro do Hamas

Famílias de prisioneiros libertados detalham abusos no cativeiro do Hamas


Eles falaram enquanto os Estados Unidos continuavam a pressionar por um acordo de cessar-fogo que garantiria a libertação dos reféns ainda detidos em Gaza, mas como disse um alto funcionário do Hamas, o grupo não sabe quantos deles ainda estão vivos.

Isto apenas aumentou a angústia daqueles cujos familiares não foram libertados na operação mortal do fim-de-semana passado, na qual as autoridades de saúde de Gaza afirmaram que 274 palestinianos foram mortos.

Também foram libertadas na operação mortal do fim de semana passado Shlomi Ziv e Noa Argamani, 26 anos. A mãe de um soldado ainda detido em Gaza disse à mídia israelense na sexta-feira que Argamani lhe disse que as mulheres foram tratadas como “escravas”, forçadas a limpar e cozinhar em um ambiente vila de luxo.

À medida que as famílias aprendem lentamente mais sobre a provação, o mesmo acontece com o público.

‘Andrey está em um helicóptero’

Foi uma manhã tranquila em São Petersburgo, na Rússia.

Kozlova, 52 anos, estava fazendo as malas para ir a Israel pela terceira vez desde 7 de outubro.

Seu filho, Andrey, de 27 anos, que se mudou para Israel dois anos antes de sua casa na Rússia, foi sequestrado no festival de música Supernova no ataque terrorista do Hamas.

Kozlova não recebeu notícias sobre o seu destino nos oito meses seguintes e sentiu pouco optimismo em relação às negociações para um acordo de cessar-fogo que o pudesse libertar.

“Eu estava um pouco deprimida, na verdade”, ela lembrou na quinta-feira. Ela diz que não esperava nenhuma notícia, muito menos boas notícias.

Então o telefone tocou.

“Andrey está em um helicóptero, em território israelense”, disse a ela o oficial das Forças de Defesa de Israel do outro lado da linha.

O marido de Kozlova, Mikhail Kozlov, também de 52 anos, estava convencido de que se tratava de uma notícia falsa.

Isso foi até ele ver Andrey, em uma videochamada do hospital. Kozlova descreve o momento em que segurou o telefone e falou com o filho. “Eu o tinha nas mãos”, diz ela, “foi como segurar meu bebê nos braços novamente”. Eles se reuniram no dia seguinte no Hospital Sheba, em Ramat Gan, no centro de Israel.

Aviram Meir, 58 anos, estava em casa no kibutz Bahan, cerca de 48 quilômetros ao norte de Tel Aviv, quando seu telefone tocou com uma mensagem no WhatsApp do oficial de apoio das FDI da família.

Tinha uma foto de seu sobrinho, de 21 anos, ao lado de Kozlov e Ziv. “Há uma foto no Telegram”, dizia o texto. A oficial das FDI disse que ainda não sabia o que era, mas estava “descobrindo”. Então chegou outra mensagem de texto, desta vez de um parente que trabalhava para o Shin Bet, a agência de segurança interna de Israel. Tinha apenas duas palavras: “Almog resgatado”.

A mãe de Almog, Orit Meir, estava à beira da piscina quando recebeu a notícia. Depois de oito longos meses, seu parceiro a levou para o feriado judaico de Shavuot. “Ele está vivo? Ele esta ok?” ela gritou ao telefone, lembrou seu irmão em uma entrevista em Tel Aviv.

Logo ela estava cercada por centenas de turistas “todos a abraçando”, cantando e comemorando, disse Meir.

A partir da esquerda, Aviram Meir, Almog Meir Jan e Orit Meir.Oren Kornfeld

Mas o reencontro foi agridoce para a família.

Seu sobrinho soube que o amigo com quem havia ido ao festival havia sido morto. Este foi “o primeiro golpe”, diz Meir. Poucas horas depois, Almog soube que seu pai havia morrido horas antes – sua família disse que estava com o coração partido. “Esse foi o segundo golpe”, diz seu tio.

Isto apenas aumentou a sensação partilhada por Meir e pelos Kozlov de que os reféns libertados estão a sofrer um trauma psicológico.

“Não foi fácil para eles”, diz Meir. “Eles estavam sob constante ameaça.” Os três reféns do sexo masculino foram mantidos juntos durante meses na mesma sala, “sem nunca sair”.

O quarto ficava acima de uma casa de família num prédio de apartamentos no campo de refugiados de Nuseirat, diz Meir. Eles não tinham permissão para olhar pela janela e não havia eletricidade, e o som das crianças no andar de baixo oferecia uma lembrança do mundo além do cativeiro.

“Eles tinham uma espécie de rotina”, acrescenta, acordando tarde e jogando cartas para ajudar o passar dos dias. Agora, eles se comprometeram a jogar apenas uma vez por ano, disse ele, para marcar o aniversário da operação que os libertou.

“Eles passaram um dia com roupas íntimas e um dia sem”, diz Meir, explicando que o par que os reféns usavam no dia em que foram capturados é o único que lhes foi permitido durante oito meses. Eles estavam “lavando-os num dia”, diz ele, “e vestindo-os no dia seguinte”.

O trio cortou o cabelo um do outro, acrescentou Meir. “Eles cuidavam um do outro o tempo todo.”

Mas eles estavam longe de ter certeza de que conseguiriam.

“Houve um período em que houve muitos bombardeios”, diz Meir. “Eles ficaram com muito, muito medo” e foram deixados escondidos debaixo dos colchões, diz ele. Enquanto o exército israelita atacava nas profundezas de Gaza, “houve alguns bombardeamentos próximos”, diz ele.

Essa não foi a única ameaça.

Andrey contou aos pais que suas mãos ficaram amarradas nas costas durante semanas e depois algemadas na frente do corpo, um alívio pequeno, mas bem-vindo. Ele também descreveu o enfrentamento de punições por infrações menores percebidas, disseram seus pais esta semana.

A tortura psicológica não foi menos dolorosa, dizem. Os reféns foram informados de que suas famílias haviam se esquecido deles e que Israel não os queria. Foi dito a Andrey que “a única solução de Israel é matar os reféns”, diz Kozlova. A equipe de resgate que invadiu o apartamento encontrou Andrey e Almog amontoados debaixo de um colchão. “Ele não sabia se vieram para matá-lo ou para salvá-lo”, diz ela, com o rosto refletindo o horror e a confusão do filho.

A equipe de resgate foi rápida em tranquilizá-los e seu filho agora está em segurança em casa. Mas os Kozlov temem que ele esteja sofrendo.

“Ele fala”, e brinca Kozlova. “Mas ele disse que há coisas sobre as quais nunca falaremos”, acrescenta o marido, “e isso nos preocupa”.

Arnon Afek, diretor interino do Hospital Sheba, disse numa entrevista no início desta semana que, apesar de parecerem fisicamente saudáveis, os reféns pareciam sofrer de desnutrição e cicatrizes mentais como resultado do tempo em cativeiro.

O pai de Kozlov está preocupado com a possibilidade de a operação de resgate ter consequências graves para os restantes reféns detidos em Gaza. “O mundo inteiro tem de pressionar o Hamas para que este chegue a um acordo”, diz a mãe de Kozlov.

“É por isso que estamos aqui, dando entrevistas”, diz ela. “Queremos lutar pelos outros reféns.”




bxblue emprestimos

quero fazer empréstimo consignado

como fazer emprestimo consignado

empréstimo c

bxblue simulação

emprestimo consignado para aposentado inss

emprestimo consignado online rapido

empréstimos consignados

simulação para emprestimo consignado

empréstimo consignado para negativado

emprestimos para aposentados inss

Simple, privacy focused and free ad network for websites in need of new visitors. Free & easy link building. Itコンサルタント必見!フリー案件を一括紹介【it consult ant bank】.