‘Trauma inimaginável’ assombra os deslocados do Sudão enquanto a violência e a fome ameaçam milhões


“O secretário-geral condena veementemente o ataque alegadamente realizado em 5 de junho pela Força de Apoio Rápido (RSF) na aldeia de Wad Al-Noura, no estado de Jazira, que alegadamente matou mais de 100 pessoas”, disse o seu porta-voz num comunicado. durante a noite, o que também sublinhou “o imenso sofrimento da população sudanesa como resultado das hostilidades em curso”.

“É tempo de todas as partes silenciarem as suas armas em todo o Sudão e se comprometerem com um caminho para paz sustentável para o povo sudanês.”

Briefing de jornalistas em Genebra de Port Sudan, Mohamed Refaat, a agência de migração da ONU (UM POUCO) no país destacou “relatos verdadeiramente horríveis de ataques violentos e vítimas” na aldeia de Wad Al-Noura, no estado de Aj Jazirah, na quarta-feira.

Os seus comentários foram feitos num momento em que imagens de vídeo não confirmadas mostravam dezenas de corpos a serem enterrados na aldeia, após um alegado ataque por combatentes fortemente armados da RSF, a cerca de 112 quilómetros (70 milhas) da capital.

Acredita-se que pelo menos 35 crianças estejam entre os mortosdesenho forte condenação do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) Diretora Executiva Catherine Russell.

“Este é mais um lembrete sombrio de como as crianças do Sudão estão a pagar o preço da violência brutal”, disse ela num comunicado na quinta-feira. “No ano passado, milhares de crianças foram mortas e feridas. Crianças foram recrutadas, raptadas e sujeitas a violações e outras formas de violência sexual. Mais de cinco milhões de crianças foram forçadas a abandonar as suas casas.

Preocupações crescentes: Chefe de direitos

O principal responsável dos direitos humanos da ONU também expressou o seu choque ao tomar conhecimento dos assassinatos em Wad Al-Noura, alegando que a RSF “utilizou armas com efeitos abrangentes, incluindo granadas de artilharia, durante o ataque”.

Estas mortes aumentam as minhas sérias preocupações existentes na adesão aos princípios de distinção, proporcionalidade e precaução de acordo com o direito humanitário internacional por parte daqueles envolvidos nos combates”, disse o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Volker Türk.

“Os responsáveis ​​por assassinatos ilegais deve ser responsabilizado. Quantos mais civis sudaneses terão de morrer antes que as partes em conflito parem de lutar?”

Ponto crítico de Darfur

Num outro ponto crítico do conflito, na capital de Darfur do Norte, El Fasher, no oeste do Sudão, cerca de 800 mil civis ainda estão em perigo, no meio de uma batalha intensificada entre as Forças Armadas do Sudão (SAF) e a rival RSF.

O local permanece “inacessível” para a ONU, seja transfronteiriço ou transfronteiriçodisse o Sr.

Exigiu que todas as partes facilitassem o acesso sem ajuda à área “através de todas as rotas disponíveis” e sublinhou que os preços da água e do combustível “subiram”, tornando os bens essenciais inacessíveis.

O deslocamento interno no Sudão desde o início do conflito, em 15 de Abril do ano passado, atingiu quase 10 milhões, observou Refaat, da OIM, sendo a insegurança alimentar um factor crescente na decisão das pessoas de fugir. Cerca de 18 milhões de pessoas no país sofrem de fome aguda, enquanto 3,6 milhões de crianças sofrem de subnutrição aguda.

© UNICEF/Mohamed Zakaria

Refugiados presos

Além dos deslocados internos, mais de dois milhões de pessoas fugiram através das fronteiras do Sudão para os países vizinhos, principalmente Chade, Sudão do Sul e Egipto, “chegando frequentemente em condições extremamente vulneráveis ​​e muito traumatizados”, enfatizou o Sr.

O porta-voz da OIM também alertou para um aumento de três vezes registado pela OIM no ano passado no número de sudaneses que “levam corredores de migração perigosos e irregulares para a Líbia, Tunísia e para a Europa”. Ele citou “relatos não confirmados” de cerca de 2.000 famílias atualmente “desamparados em condições difíceis, incluindo migrantes entre as fronteiras entre o Egito, a Líbia e o Sudão”.

Solidariedade chadiana para os mais traumatizados

Ecoando seus comentários, Alpha Seydi Ba, da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), porta-voz regional para a África Ocidental e Central, falou sobre a situação devastadora no Chade, onde mais de 600 mil sudaneses chegaram desde o início da crise. “Você via pessoas chegando todos os dias às dezenas em condições muito, muito ruins, e a maioria delas são mulheres, crianças, que experimentaram o inimaginável, trauma inimaginável,” ele disse.

O Chade já tinha acolhido mais de 400 mil refugiados sudaneses antes desta crise, explicou Ba, antes de expressar o apreço da agência da ONU pelo facto de as autoridades terem “mantido as suas fronteiras abertas”.

Mas responder às necessidades básicas dos refugiados, como abrigo, alimentação, acesso à educação para as crianças e apoio psicológico, tornou-se cada vez mais difícil devido à falta de financiamento.

O ACNUR disse que o plano de resposta para cinco países vizinhos que acolhem aqueles que fugiram do Sudão, num total de 1,4 mil milhões de dólares, é apenas nove por cento financiados. O humanitário a resposta no Sudão continua a ser financiada apenas em 16 por cento.

Colapso dos cuidados de saúde

Enquanto isso, a agência de saúde da ONU Organização Mundial de Saúde soou o alarme sobre a terrível situação da saúde no país, alertando que estava “entrando em colapso”.

O porta-voz da OMS, Christian Lindmeier, disse aos jornalistas em Genebra que cerca de 65 por cento da população não tem agora acesso a cuidados de saúde. “Os cuidados de saúde no Sudão dependiam muito de Cartum, onde o sistema de saúde foi dizimado”, explicou.

“Apenas cerca de 25 por cento dos suprimentos médicos necessários estão disponíveis no país. Em áreas de difícil acesso, apenas 20 a 30 por cento das instalações de saúde permanecem funcionais e, mesmo assim, a um nível mínimo.”

Ameaça de sarampo

O porta-voz da OMS alertou para um número recorde de casos de sarampo em 2023, uma vez que as vacinações diminuíram devido ao conflito.

“Infelizmente, esperamos que 2024 seja pior”, acrescentou.

A OMS disse que a cólera, a malária e a dengue também estão aumentando e expressou preocupação com a falta de tratamento para pessoas que sofrem de doenças crônicas como diabetes, hipertensão, doenças cardíacas e insuficiência renal.



emprestimo pessoal auxilio brasil

empréstimo pessoal para pensionista

imagens de emprestimo consignado

emprestimo consignado creditas

emprestimos para negativados em porto alegre

empréstimo com desconto em folha de pagamento

compare empréstimo

empréstimo de 5 mil

taxa do emprestimo consignado

simulador de consignado