Biden deixará a Ucrânia atacar dentro da Rússia usando armas dos EUA?



A nova urgência de Kiev, que ainda aguarda por ajuda militar crucial dos EUA, levou uma lista crescente de responsáveis ​​ocidentais a apoiar a ideia de remover as restrições ao ataque a alvos dentro da Rússia.

Durante grande parte da guerra, os parceiros de Kiev traçaram uma linha vermelha sólida ao permitir que a Ucrânia utilizasse as armas que fornece dentro do território russo, temendo uma escalada do Kremlin que poderia transformar o conflito numa Terceira Guerra Mundial.

A administração Biden tem sido consistente nesta posição, talvez preocupada com a possibilidade de o presidente russo, Vladimir Putin, poder retaliar usando armas nucleares – que tem regularmente ameaçado durante o conflito.

Mas com a Ucrânia em menor número, desarmada e em desvantagem, Kiev tem defendido publicamente que os seus aliados afrouxem as suas restrições.

E parece estar funcionando.

O presidente francês, Emmanuel Macron, tornou-se o mais recente defensor da ideia na terça-feira. Ele sugeriu que a Ucrânia deveria ser autorizada a atingir alvos militares dentro da Rússia a partir dos quais mísseis estavam sendo disparados contra o território ucraniano, uma posição aparentemente de compromisso.

Ele foi acompanhado pelo líder alemão Olaf Scholz, que resistiu à ideia, mas concordou com o conceito na terça-feira.

Isto surge na sequência dos repetidos apelos do chefe da NATO, Jens Stoltenberg, para permitir que a Ucrânia utilize armas fornecidas pelo Ocidente para atingir alvos dentro da Rússia, dizendo que não o fazer prejudica a capacidade de Kiev “de se defenderem”. É uma opinião partilhada por vários membros europeus da aliança, incluindo o Reino Unido, a Suécia e a Polónia.

Em debates anteriores dentro da administração Biden sobre até onde ir no armamento da Ucrânia, o Secretário de Estado Antony Blinken e o Diretor da CIA William Burns assumiram uma posição mais ousada, apoiando o fornecimento de mísseis de longo alcance e outras armas – e muitas vezes prevaleceram após apelos de legisladores e governos europeus.

E na quarta-feira, Blinken pareceu deixar espaço para uma mudança também nesta questão.

“Não encorajamos nem permitimos ataques fora da Ucrânia. A Ucrânia, como já disse antes, tem de tomar as suas próprias decisões sobre a melhor forma de se defender eficazmente”, disse ele durante uma viagem à Europa que incluirá uma reunião da NATO na quinta-feira. Uma “marca” do apoio dos EUA à Ucrânia, disse ele, “tem sido a adaptação”.

“À medida que as condições mudaram, à medida que o campo de batalha mudou, à medida que o que a Rússia faz mudou”, acrescentou Blinken. “Também nos adaptamos e ajustamos e estou confiante de que continuaremos a fazer isso.”



globo.com rio de janeiro

o globo noticia

globo com rio de janeiro

globo.com g1

jornal globo

jornais globo

Link. Είναι το στοιχείο που σας παρέχει ασφάλεια και ζεστασιά. Index.