Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nossos serviços, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao utilizar nossos serviços, você está ciente dessa funcionalidade. Conheça nosso Portal da Privacidade e consulte nossa Política de Privacidade. Clique aqui para ver

Equador: 90 guardas prisionais mantidos como reféns por detentos em cinco prisões em meio a crise de segurança



CNN

O governo do Equador declarou estado de emergência em duas províncias depois que sua crise de segurança aumentou no fim de semana com a morte de um prefeito e revoltas em várias penitenciárias em todo o país.

Mais de 90 agentes de segurança penitenciária estão atualmente detidos por detentos em cinco prisões diferentes no Equador, de acordo com o serviço penitenciário do país, SNAI.

Centenas de detentos foram mortos nos últimos anos no Equador, enquanto membros de organizações criminosas concorrentes se enfrentam dentro das prisões, que muitas vezes são autogeridas pelas organizações criminosas. Nos últimos dias, confrontos em prisões deixaram pelo menos seis mortos.

Isso ocorre depois que o prefeito da sexta maior cidade do Equador, Manta, Agustin Intriago, foi morto em um ataque direcionado no domingo, de acordo com um comunicado do ministro do Interior, Juan Zapata.

Outra pessoa, Ariana Chancay, também morreu no ataque, segundo as autoridades. Quatro pessoas ficaram feridas, incluindo dois supostos participantes do assassinato, que agora estão sob custódia da polícia.

Manta é um porto importante na costa do Pacífico equatoriano e um dos maiores portos de atum do mundo. Nos últimos anos, o porto se tornou um notório foco do tráfico de drogas, já que o Equador tem lutado para conter a presença de organizações criminosas internacionais, incluindo cartéis mexicanos.

Manta está localizada na província de Manabi, agora sob estado de emergência e toque de recolher por 60 dias. A província de Los Rios está sob as mesmas ordens, assim como o município de Duran.

O presidente do Equador, Guillermo Lasso, condenou o ataque de Manta no Twitter, afirmando que “ordenou ao comandante geral que ative os recursos necessários para que os responsáveis ​​por este crime sejam encontrados e levados à justiça. Nossos pensamentos estão com a família do prefeito e da outra vítima”.

Intriago foi eleito para um segundo mandato como prefeito de Manta em fevereiro.

O ataque contra um funcionário público tão importante chocou o país, que terá eleições no próximo mês em meio a uma crescente escalada de violência nas mãos de organizações criminosas.

O Equador, uma nação relativamente pacífica até uma década atrás, tornou-se um importante ponto de trânsito das rotas do tráfico de cocaína da América do Sul para os Estados Unidos, Canadá e Ásia, em parte como consequência do processo de paz na vizinha Colômbia desde 2016.

Em maio, ao enfrentar um voto de impeachment, Lasso dissolveu o congresso liderado pela oposição e abriu caminho para uma eleição geral antecipada em 20 de agosto.

Os três principais candidatos à presidência, a candidata de esquerda Luisa Gonzalez, o candidato de direita Otto Sonnenholzner e o candidato indígena Yaku Perez condenaram o ataque contra Intriago e prometeram enfrentar a crise de segurança no país.